GreenNation

A sustentabilidade é uma atitude.

Dicas

Parques na cidade de Curitiba


Seguindo nossa linha de passaporte verde, expandimos também a dica de parques pelas cidades. Hoje, vamos falar sobre os melhores pontos de ecoturismo da cidade de Curitiba. Veja quais são as melhores pedidas para se praticar o ecoturismo no capital do Paraná.

Querem conhecer? Para isso é bom saber algumas regrinhas importantes dos locais de conservação. Veja:

- Não se leva nada de um parque a não ser lembranças.  Animais, plantas, rochas, frutos, sementes e conchas encontrados no local fazem parte do ambiente;

- Caçar, pescar e molestar animais silvestres é crime previsto por lei. Os animais precisam buscar seu próprio alimento para manter o ciclo de vida natural;

- Evite entrar no parque com animais domésticos, pois isso poderá causar problemas como a introdução de doenças e ameaças ao ambiente natural;

- O lixo deve ser depositado em locais apropriados. Nada de fumar cigarro e jogar a "pita" no chão;

- As áreas de visitação pública costumam ser restritas e, normalmente, possuem horários definidos.

Agora sim! Confira os parques:

 

Bosque Alemão
 
Situado em uma área de fundo de vale com 38.000m2 no Jardim Schaffer, local onde no final do século passado a família que deu nome ao bairro era responsável por uma leiteria famosa na região, este bosque conta com equipamentos relacionados à cultura germânica, sendo assim uma homenagem do Prefeito Rafael Greca e da cidade de Curitiba à etnia que aqui se estabeleceu no século 19, a partir de 1833.
 
Área: 38.000 m2
Localização: Rua Francisco Schaffer x Rua Nicolo Paganini x Rua Franz Schubert
Bairro: Vista Alegre
Ano de Implantação: 1996
Acesso: Gratuito
Fauna: Morcego, gambá, sabiá, beija-flor, pula-pula, bispo, limpa-folhas.
Flora: Canela, espora-de-galo, guabiroba, açoita-cavalo, miguel pintado, timbó, pitangueira, paineira e algumas espécies introduzidas, como o pinus.
Equipamentos: Sala de concertos, casa de chá, lanchonete, sanitários, passarela, mirante, torre, biblioteca e portal.
 
 
 
Bosque Boa Vista
 
Localizado no bairro Boa Vista, no setor norte da cidade, o Bosque Boa Vista abrange uma área de 11.682 m2, sendo 7.000 m2 de bosques naturais, remanescentes da antiga mata de araucárias que recobria quase toda região. Entre as espécies encontram-se os pinheiros, canelas, paus de bugre, pinheiros bravos, pitangueiras, guabirobeiras e outras.
 
Os equipamentos ali instalados como playground e canchas de esportes vem propiciar a perfeita harmonia da paisagem onde o indivíduo pode desenvolver atividades de lazer em contato direto com a natureza.
 
Área: 11.682 m2
Localização: Rua Holanda X Rua Vicente Ciccarino
Bairro: Boa Vista
Ano de Implantação: 1974
Acesso: Gratuito
Fauna: Tico-tico, corruíra, sabiá, sanhaço, morcego, gambá, gripeirinho.
Flora: Pinheiros, canelas, paus de bugre, pinheiros bravos, pitangueiras, guabirobeiras e outras.
Equipamentos: Play-ground, canchas de esportes, churrasqueiras.
 
 
 
Parque Atuba
 
Com 173 mil metros quadrados, o Parque Atuba foi implantado com objetivo principal de preservar uma região de fundo de vale existente na divisa com o Município de Colombo, no extremo nordeste do município. Também possui outras funções como: viabilizar a ocupação ordenada da área, conservar as margens do Rio Atuba e todo o ecossistema da região e proporcionar à população, que já utilizava o local para caminhadas, mais um espaço de lazer e recreação. 
 
Na área do parque foi reservado um espaço para a implantação da “Vila da Madeira” que visa conservar elementos da arquitetura de madeira típica de Curitiba. A vila leva o nome de Milna Leone, em homenagem à arquiteta do IPPUC que participou de sua concepção. A primeira casa a compor a paisagem do parque foi construída em 1947 no bairro Alto da XV e sua remontagem seguiu o projeto original.
 
Área: 173.265 m2
Localização: Rua Pintor Ricardo Krueger X Rua Arnoldo Wolf Gaensly
Bairro: Atuba
Acesso: Gratuito
Flora: Araçá, Vacum, Açoita-cavalo, Angico, Aroeira, Branquilho, Canafístula, Capororoca, Cássia Mutijuja, Corticeira, Erva Mate, Figueira, Jatobá, Paineira, Pau marfim, Pau óleo, Pinheiro bravo, Quaresmeira, Timboril.
Equipamentos: Lagos, pontes de madeira, pista de caminhada, cascata, ciclovia, Vila da Madeira, canchas de futebol e vôlei, casa da guarda, equipamentos de ginástica, churrasqueiras.
 
 
 
Parque Barigui
 
O nome Barigui tem origem indígena e significa "rio do fruto espinhoso", em alusão às pinhas das araucárias nativas, ainda remanescentes. O lugar, uma antiga "sesmaria" pertencente a Martins Mateus Leme, foi transformado em parque em 1972 pelo então prefeito Jaime Lerner. Por sua localização, próximo ao centro da cidade, e sua infraestrutura, o Barigui é o parque mais freqüentado de Curitiba.
 
Nos três bosques constituídos por capão de floresta primária nativa e por florestas secundárias, procuram refúgios diversos animais nativos ou migratórios como garças-brancas, preás, quero-queros, tico-ticos, gambás e outros.
 
Com sorte o visitante poderá encontrar também uma das figuras mais populares da cidade, o polêmico jacaré do Barigui. Um jacaré-do-papo-amarelo adulto que costumeiramente toma seus banhos de sol às margens do lago. Há anos ele vive no local sem nunca ter incomodado os demais usuários do parque.
 
Área: 1.400.000 m2
Localização: Entre a Av. Manoel Ribas e a BR-277, acessos: BR-277 e Av. Cândido Hartmann
Bairro: Bigorrilho, Mercês, Santo Inácio e Cascatinha
Ano de Implantação: 1972
Acesso: Gratuito
Fauna: Garça-branca, quero-quero, tico-tico, sabiá, biguatinga, preá, capivara, cutia, sagüi e gambá.
Flora: Araucária, erva-mate, pitangueira, vassourão-branco, bromélia, orquídea, mirta, guabirotuba e guabiroba.
Equipamentos: Lago, pavilhão de exposições, parque de diversões, Museu do Automóvel, restaurante, Salão de Atos, sede da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Bistrô, academia de ginástica, pista de bicicross, canchas esportivas, pistas de Cooper, ciclovias, trilhas, sanitários públicos, pista de patinação, heliponto, churrasqueiras, lanchonetes, equipamentos de ginástica, portal, pontes, sede de grupo escoteiro e estacionamentos.
 
 
 
Parque Cajuru
 
Com 2.100 metros de extensão e uma área de 104 mil metros quadrados, o Parque Linear Cajuru veio resgatar a função ambiental do Rio Atuba, cujas margens foram recuperadas em 2002/2003 pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente com a participação de outras entidades municipais.
 
Já na sua criação, espécies nativas como o monjoleiro, canafístula, vacum, aroeira, manacá e outras, foram plantadas visando a recomposição da mata ciliar e, desta forma, evitando a erosão e o assoreamento do rio. Além disso, a obra proporciona melhoria da qualidade da água e da vida da comunidade.
 
Outro grande atrativo é a grande estrutura de lazer que beneficia os moradores da região leste de Curitiba. O parque possui anfiteatro, campo oficial de futebol com grama, vestiário, cancha polivalente, canchas esportivas, equipamentos de ginástica, 4 mil metros de ciclovia, pistas de skate e patinação, playground, mesas de jogos, etc.
 
Área: 104.000 m2
Localização: Rua Teófilo Otoni X Rio Atbuba e Rua Rio Iguaçu
Bairro: Cajuru
Acesso: Gratuito
Flora: Monjoleiro, canafístula, vacum, aroeira, manacá, outras espécies nativas.
Equipamentos: Anfiteatro, campo oficial de futebol com grama, vestiário, cancha polivalente, canchas esportivas, equipamentos de ginástica, 4 mil metros de ciclovia, pistas de skate e patinação, pista para caminhada, playground, mesas de jogos, ponte de madeira.
 
 
 
Parque da Pedreira / Ópera de Arame
 
O espaço é dotado de infra-estrutura para a realização de grandes shows com um palco fixo com 480 m2, camarins, sanitários, bilheterias, lanchonetes, além uma excelente acústica proporcionada por um paredão de rocha maciça com mais de 30 m de altura.
 
Área: 103.500 m2
Localização: Rua João Gava
Bairro:Abranches
Ano de Implantação: 1990
Acesso: Gratuito, com exceção dos dias de espetáculos.
Equipamentos: Auditório ao ar livre, Ópera de Arame, lanchonete, loja, heliponto, estrutura de apoio para shows, administração e estacionamentos.
 
 
 
Parque dos Tropeiros
 
Situado no bairro Cidade Industrial, com área de 173.474 m2, é um parque destinado a homenagear o ciclo das tropas existentes na história do Paraná.
 
O parque é singular pela existência de equipamentos destinados a promover eventos para campeonatos de rodeios e acampamentos. Para tanto, o parque é provido de cancha de rodeios, churrascaria, salão de danças, auditórios para apresentações de manifestações folclóricas, aprisco, área para acampamento e sanitários.
 
O salão de danças, no dia-a-dia do parque, sedia o Pia Ambiental na Tradição, onde crianças de 4 a 12 anos realizam, em dois períodos, atividades de integração e recebem os princípios de educação ambiental de forma plena e o conhecimento sobre as tradições.
 
Área: 173.474 m2
Localização: Acesso pela Rua Raul Pompéia, próximo à Av. Juscelino Kubitscheck
Bairro: Cidade Industrial
Ano de Implantação: 1994
Fauna: Gambá, cuíca, morcego, cachorro do mato, sabiá vermelho, sabiá branco, sabiá coleira, bem-te-vi, quero-quero, gavião carijó, chupa-dente, pomba de asa branca.
Flora: Carvalho brasileiro, araucária, branquilho, guaçatunga, aroeira, corticeira, guamirin, pinheiro bravo, gerivá.
Equipamentos: Cancha de rodeios, churrascaria, museu integrado à administração, auditórios para apresentação de manifestações folclóricas, sala de danças, refeitório, cancha esportiva, área para acampamento livre, sanitários, bebedouros e estacionamento.
 
 
 
Parque Iguaçu / Zoológico
 
Iguaçu é "água grande" na linguagem dos primeiros habitantes dessa terra, os índios. O rio Iguaçu nasce na Região Metropolitana de Curitiba e, cortando o Estado, despenca em cataratas na sua foz, no grande Rio Paraná.
 
Em plena área urbana, o zoológico é também um grande espaço de educação ambiental. A Casa do Acantonamento, por exemplo, é pioneira no país e realiza atividades recreativas e ecológicas com grupos de crianças. Possui um zoológico com animais domésticos, pomar, horta educativa e trilha ecológica.
 
O setor esportivo, com área aproximada de 126.000m2 é constituído pelo Parque Peladeiro contendo equipamentos como: canchas de futebol, futebol de areia e volei, vestiários, sanitários, playground e um estádio destinado à prática de beisebol com arquibancadas, iluminação, estacionamento e lanchonete.
 
O setor náutico, com área aproximada de 2.300.000 m2, destinados a esportes náuticos não poluentes (remo, vela e canoagem), é dotado dos seguintes equipamentos: sede administrativa, cais/ancoradouro, garagem de barcos, sanitários, lanchonete, mirante, raias, arquibancada lateral, torre de cronometragem para canoagem e canal inter-cavas.
 
O Parque Regional do Iguaçu caracteriza-se por ser, além de um dos maiores parques urbanos do país, inédito no que se refere à existência de seus diversos setores onde, acima de tudo, está colocada a preservação da natureza em toda a sua essência.
 
Área: 569mil m2
Localização: Entre a linha férrea e o Rio Iguaçu
Bairro: Cajuru, Boqueirão e Alto Boqueirão
Ano de Implantação: 1976
Acesso: Gratuito.
Fauna: Garça, jaçanã, maçarico, vanelo, turdo, saracura, marreca do banhado, pato selvagem, gavião, rola, tico-tico, pararú, cotia, nútria, capivara, preá, lagarto, cágado da água, cobras de pequeno e médio porte, roedores de pequeno porte.
Flora: Floresta nativa, com variadas espécies: branquinho, vacum, aroeira, casearia, juvevê, timbó, araucária, pinheiro brabo, carne de vaca, covatã, pimenteira, corticeira do banhado, pitangueira, guabirobeira, cambuí, cambará, cedro rosa, canjerana, bracatinga, ipê amarelo e roxo e árvores frutíferas.
Equipamentos: Zoológico, estacionamentos para carros e ônibus, quiosques, bar e lanchonete, ancoradouros, choupana, bicicletário, canal de circulação de barcos, ciclovia, trilha para acantonamento, casa de educação ambiental, canchas esportivas.
 
 
 
Parque Municipal Nascentes do Belém
 
A preocupação de Curitiba na preservação de seus recursos hídricos refletiu-se emblematicamente na inauguração deste parque, justamente no Dia do Rio, a 24 de novembro de 2001. A área abriga o nascedouro do Belém, rio que começa e termina dentro dos limites do município, cortando a cidade de um extremo ao outro. Pela sua importância como patrimônio natural e histórico da cidade, o Rio Belém é alvo prioritário da meta de revitalização dos rios da capital paranaense. Assim, a implantação do parque teve como objetivo a proteção ambiental da sua nascente.
 
No local encontra-se o Centro de Referência da Águas, espaço próprio e equipado para atividades de Educação Ambiental, passando a ser referência nas atividades desenvolvidas pelo Programa Olho D'água, que monitora a qualidade da água dos rios curitibanos.
 
Área: 11.178 m2
Localização: Rua Rolando Salin Zappa Mansur.
Bairro: Cachoeira
Acesso: Gratuito, monitorado.
Fauna: Coruja, pica-pau, beija-flor, sabiá, preá, nútria, gambá, garça-branca, siriri.
Flora: Araucária, ipê amarelo, pitangueira, aroeira, araçazeiro, pinheiro-bravo, canela, araticum, açoita-cavalo, cedro-rosa, pata-de-vaca, vacum, tarumã, branquilho, bracatinga.
Equipamentos: Marco, unidade de Educação Ambiental, sede de manutenção, sanitários, mirante, ponte, fonte, lago, estar/pergolado, caminhos, posto da Guarda Municipal.
 
 
 
Parque Passaúna
 
Originalmente apahuna, o nome indígena foi sendo modificado até chegar a passaúna, que pode ser traduzido por "homem negro". Inaugurado em 1991, o parque nasceu para preservar a qualidade da água da represa do Rio Passaúna, considerada como interesse de proteção ambiental desde 1980 e responsável por parte do abastecimento de água para a população curitibana.
 
No parque, a principal atração é o mirante de 12 metros de altura. Localizado no alto de um morro à beira da represa, à 60 metros do nível do lago, propicia uma visão privilegiada das águas mansas, da exuberância da mata e do vizinho Município de Campo Largo. Ao longe, avistam-se as chaminés das antigas olarias: Alberto Klemtz, Isfer, Baggio e Santa Rosa, que encerram em suas sólidas construções parte da história de Curitiba.
 
A trilha ecológica, com 3,5 km de extensão, junto ao lago e em meio ao bosque, percorre caminhos com pontes de madeira, recantos com churrasqueiras, ancoradouros para pescarias e acesso às antigas olarias.
 
O Passaúna, localizado na parte oeste de Curitiba, a 12 km do centro da cidade, representa não só uma área protegida por decreto como APA – Área de Proteção Ambiental, como uma grande opção de lazer para o curitibano.
 
Área: 6.500.000 m2
Localização: Final da Rua Eduardo Sprada, na divisa com o Município de Campo Largo
Bairro: Augusta
Ano de Implantação: 1991
Acesso: Gratuito.
Fauna: Lontra, capivara, paca, tatu, biguá, garça, mergulhão, jaçanã, cágado, gavião e graxaim
Flora: Branquilho, guamirim, guaçatunga, aroeira, pinheiro-bravo, corticeira, açoita-cavalo, tarumã, cafezeiro-do-mato, imbuia, araucária, cedro, guabiroba.
Equipamentos: Mirante, lago, trilha ecológica, churrasqueiras, portal, pontes e estacionamentos
 
 
 
Parque São Lourenço
 
Desde 1972, cultura, criação e natureza se encontram em torno do lago do parque São Lourenço, formado pelo Rio Belém. Tudo começou com a grande inundação de 1970, com o estouro da represa do São Lourenço, então pertencente à fábrica Adubos Boutin. O projeto atendeu à regulagem das águas do Rio Belém e aproveitamento da área ao redor, com reciclagem de uso de uma antiga fábrica de cola.
 
A velha fábrica, cuja chaminé de tijolos à vista pode ser avistada de longe, e seu maquinário, hoje transformado em esculturas, formam o Centro de Criatividade, uma oficina de concretização do sonho, a matéria-prima da criação. Sua instalação ocupou cinco pavilhões da antiga fábrica que foram reciclados e adaptados para abrigar o Centro. Atelier de artes e ofícios, auditório, espaço de exposições e biblioteca compõem o apoio à criatividade.
 
No parque o verde se distribui entre remanescentes de floresta com araucária. A ciclovia que circunda o lago serve como ponto de interligação aos ciclistas que fazem o percurso entre o Parque da Barreirinha, ao norte, e o Bosque João Paulo II, no centro da cidade.
 
Em junho de 1998, amparado por incentivo cultural, foi remontada e restaurada, ao lado do atelier de escultura, a casa do escultor Erbo Stenzel, transferida do seu terreno original na Travessa General Francisco Lima e Silva, no Alto São Francisco. O local, além de abrigar exposições, funciona como uma casa da cultura e acolhe o acervo e documentação do escultor, gravador, impressor, desenhista e professor paranaense.
 
Área: 203.918 m2
Localização: Rua Mateus Leme
Bairro: São Lourenço
Ano de Implantação: 1972
Acesso: Gratuito
Fauna: Preá, roedores silvestres, gambá, morcego, sabiá, socó, biguá, saracura quero-quero, coleirinha, pintassilgos tico-tico, galinha-de-angola, pica-pau, coruja e gavião.
Flora: Capão de floresta nativa com aroeira, araçá, alfeneiro, estremosa, pinheiro-bravo, canela, pau-de-bugre, pitangueira.
Equipamentos: Play-ground, pista de rolimã, pista de cooper, churrasqueiras, Centro de Criatividade, sede administrativa, teatro, Casa Erbo Stenzel, sanitários, canchas de futebol e vôlei, ponte, ciclovia, lago, estacionamento, posto policial.
 
 
 
Parque Tanguá
 
Situado nas antigas pedreiras da família Gava junto ao rio Barigui, entre os municípios de Curitiba e Almirante Tamandaré, este parque - inaugurado em 23 de novembro de 1996 pelo prefeito Rafael Greca - preserva a natureza num local destinado inicialmente para abrigar uma usina de reciclagem de caliça e lixo industrial.
 
Posteriormente, em 6 junho de 1998 foi inaugurado pelo Prefeito Cassio Taniguchi, dentro do parque, o Jardim Poty Lazzarotto com: portal de acesso, mirante a 65m de altura, cascata e um grande jardim em estilo francês com canteiros de flores e espelhos d’água- de onde projeta-se o belvedere, na forma de terraço elevado em meio a um tapete verde. Nos três pisos do belvedere encontram-se distribuídos decks metálicos, bistrô, sanitários públicos, loja e torres para observação. 
 
O Jardim Poty Lazzarotto eterniza a memória do artista plástico Napoleon Potyguara Lazzarotto, um curitibano nascido no aniversário de Curitiba, em 29 de março de 1924. Poty, ainda menino rabiscava sonhos em papel de embrulho, no restaurante Vagão do Armistício, a beira dos trilhos da estrada de ferro, no bairro Cajuru. Cresceu e sua arte está em livros, gravuras, quadros, murais, painéis, ruas e praças da cidade. Poty viveu entre nós até 8 de maio de 1998.
 
Área: 235.000 m2
Localização: Rua Oswaldo Maciel
Bairro: Taboão / Pilarzinho
Ano de Implantação: 1996
Acesso: Gratuito
Fauna: Pato silvestre, morcego, gambá, tatu, cisqueiro, pavó, quero-quero, frango-d’água, jaçanã, marreca ananaí, socó-dorminhoco, joão-de-barro, sabiá-laranjeira, bem-te-vi, parelheira, cobra-d’água, boipeva, jararaca, teiú, cágado-cabeça-de-cobra.
Flora: Branquilho, veludo, maria-mole, cambuí-do-brejo, embira-branca, baga-de-pombo, tarumã, aroeira, congonha, corticeira-do-brejo, bromélia, cambuí-manchado, miguel-pintado, mamica-de-porca, araucária, canela, pessegueiro-bravo, bugreiro, carvalho, cafezeiro-bravo, erva-mate, imbuia, sassafrás, camboatá, pinheiro-bravo, caúna, guaçatunga, bracatinga.
Equipamentos: Estacionamentos, lagos, ancoradouro, lanchonete, pista de Cooper, ciclovia, cascata, caramanchão, ponte, mirante, belvedere, bistrô, sanitários, loja, torres para observação, jardim com canteiros e espelhos d’água.
 
 
 
Passeio Público
 
É o mais antigo parque municipal de Curitiba, criado por Alfredo D´Estragnolle Taunay quando presidente da Província do Paraná, e inaugurado em 1886. Nasceu da drenagem de um terreno pantanoso. Passou por várias transformações ao longo do tempo, tendo sido conhecido como Jardim Botânico.
 
É o parque mais central da cidade, com implantação e equipamentos em torno do verde de diversas espécies nativas e exóticas. Carvalhos e ciprestes centenários se harmonizam às paineiras e jacarandás mimosos, abrigando sob sua copa a vivência de sabiás, tico-ticos e canários-da-terra. Também há coleirinhas, chupins, pica-paus, sanhaços, pombos e majestosas garças brancas em desfile pelo lago. Ilhas e pontes interrompem as aléias, capturando o olhar e os passos do caminhante.
 
Outras atrações são o Terrário que, numa área de 156 m2, abriga 40 animais, entre serpentes e lagartos de espécies exóticas e raras, vindas de diversas partes do mundo e o Aquário que possui 30 variedades de peixes de rios e ornamentais da região amazônica e da África.
 
Área: 69.285 m2
Localização: Rua Carlos Cavalcanti X Av. João Gualberto X Rua Presidente Faria
Bairro: Centro
Ano de Implantação: 1886
Acesso: Gratuito
Fauna: Sabiá, tico-tico e canário-da-terra, coleirinha, chupim, pica-pau, sanhaço, pombo, joão-de-barro e garça branca.
Flora: Árvores nativas e exóticas como o carvalho, o cipreste, a paineira, o jacarandá, o plátano, o ipê-amarelo, a canela e o eucalipto.
Equipamentos: Restaurante, play-ground, aquário, terráreo, sanitários, rinque de patinação, ponte pênsil, casa da guarda, pedalinhos, pista para caminhadas, ciclovia, bicicletário


19 de novembro de 2013