GreenNation

A sustentabilidade é uma atitude.

Colunistas

O design como estratégia


O que é valor para seu consumidor?

Como se diferenciar do seu competidor?

Inspirada pela Semana de Design, resolvi escrever sobre o assunto e mostrar como o design é peça-chave e contribui diretamente para a Economia Circular.

No mundo de hoje, inovação, geração de valor e diferenciação são elementos essenciais que devem estar inseridos em qualquer discussão sobre desenvolvimento de produtos e serviços.

E qual é a relação do design com a estratégia de desenvolvimento de produtos e o fortalecimento de uma marca? Segundo o designer americano Dan Formosa, é o design que cria a marca. Ele explica que, no mundo de hoje, as pessoas não estão mais interessadas somente no QUE você faz, mas no COMO você faz. O mais importante é o propósito da sua empresa e a história da sua marca. “Great brands do great things!” (Grandes marcas fazem grandes coisas!)

Certamente cada mercado tem suas particularidades e diferentes tipos de consumidores e tem diferentes expectativas em termos de qualidade e preço. Além disso, como já escrevi antes, o mundo moderno nos traz conveniências, produtos semiprontos e descartáveis que acabam gerando resíduos que, quando mal acondicionados e sem reuso, geram poluição, doenças e muitas vezes param nos rios e nas praias, contaminando nossos oceanos.

É neste contexto que surge o debate sobre DESIGN CIRCULAR que torna quase que obrigatório uma visão sistêmica para o desenvolvimento de produtos e valoriza os resíduos como matéria-prima, elevando a sua importância dentro da cadeia produtiva. Precisamos redefinir valores e reavaliar produtos. A ECONOMIA CIRCULAR que desconecta o crescimento produtivo do uso crescente de recursos naturais propõe novas formas de consumo, transforma produtos em serviços, estabelece novos modelos de negócios e provoca um novo olhar para embalagens, o redesign de produtos e o uso de matérias-primas alternativas.

Sendo assim, podemos mostrar as várias vertentes do design circular:

O DESIGN CIRCULAR redefinindo materiais e estimulando o uso de material reciclado em embalagens e produtos. Como exemplo temos o mercado americano que estabeleceu diretrizes para a aplicação de material reciclado em embalagens (http://www.sustainablepackaging.org/content/?type=5&id=using-recycled-content) e empresas produtoras de resinas especiais que incluíram em seus portfólios de produtos resinas com conteúdo reciclado que estão sendo aplicados em produtos eletro-eletrônicos e na indústria automotiva - 4earth by Tecnnyl da Solvay e o Cycolay da Sabic que é feito de 30% a 50% de garrafas de água.

O DESIGN CIRCULAR trazendo um olhar de valor para produtos elaborados com materiais que a princípio não teriam valor ou seriam descartados. Imagine um novo material que combina estes resíduos e serve de base para um produto inteligente, duradouro e bonito? Temos as bolsas feitas de câmera de pneu da Recman Brasil e as cadeiras encomendadas pela Coca-Cola, idealizadas pelo designer francês Philippe Starck e feitas de garrafas PET.

O DESIGN CIRCULAR estimulando a inovação e provocando a criatividade do designer para desenvolver produtos com um olhar de futuro, sem a geração de resíduos, voltado ao reuso e a remanufatura. Aqui, podemos mencionar as garrafas de água que viram telhas desenvolvidas pelo Centro de Design Regenerativo e Colaborativo da Costa Rica e o primeiro supermercado sem embalagem do mundo recém inaugurado na Alemanha: Original Unverpackt.

O DESIGN CIRCULAR criando produtos-conceito com o olhar completo da cadeia produtiva e o foco na reconstrução dos capitais natural e social. Este é o caso do trabalho feito pela GAEA Sustentável que estimula jovens aprendizes com oficinas de customização de antigos uniformes, fazendo com que estes sejam redesenhados e recirculados e a marca de tênis VERT que têm na sua proposta de valor uma produção justa, em total equilíbrio com a natureza considerando o uso de materiais orgânicos e não tóxicos. Um dos modelos é o Esplar High Top que, além disto, é produzido com tecido feito a partir da reciclagem do plástico de garrafas PET.

Portanto, além de redefinir o design, o design circular mostra que a matéria-prima reciclada deve ser vista como uma nova possibilidade de material a ser trabalhado aproveitando ao máximo as características inerentes como resistência, maleabilidade, durabilidade, entre outras.

É claro que não é simples e temos à frente todos os desafios que envolvem coleta, acesso, custo, qualidade do material e aspectos culturais. Porém, precisamos eliminar a geração de resíduos das cadeias produtivas (em inglês: design out waste) e olhar para o resíduo como um novo material de trabalho, que não sendo visto como lixo e passa a ter valor de matéria–prima, deixando de ser descartado em qualquer lugar contribuindo para a qualidade de vida e a geração de emprego.

Em resumo, o DESIGN CIRCULAR faz parte de um movimento transformador, no qual o designer, com todo sua habilidade criativa, tem um papel essencial.

Designers, contamos com vocês!


23 de novembro de 2015

Beatriz Luz

Beatriz Luz

Especialista em Sustentabilidade estratégica e Economia Circular com mais de 10 anos de experiência na Inglaterra. Nos últimos 5 anos atuou na Odebrecht Ambiental e Braskem e teve um papel importante na disseminação do conceito de ACV no Brasil ...

[+] Ver artigos deste colunista